Subvariante BQ.1 da Ômicron é encontrada no Rio de Janeiro; Fiocruz investiga possíveis casos em PE

Hits: 2

Resultado de estudo deve ser conhecido ainda nesta semana. Número de testes positivos para a doença tem crescido no Estado nos últimos dias.

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) revelou, neste fim de semana, a descoberta de mais uma subvariante da cepa Ômicron do novo coronavírus circulando no Brasil. Desta vez, a presença do vírus, identificado como BQ.1, foi constatada no Rio de Janeiro após um estudo de sequenciamento genético.

Em Pernambuco, que, assim como o estado localizado na região Sudeste, tem registrado um aumento do número de casos de Covid-19 nos últimos dias, novas amostras estão sendo analisadas pela instituição, que poderá confirmar se há ou não registros da BQ.1 no Estado. A expectativa é que o resultado seja conhecido ainda nesta semana.

Para o cientista Marcelo Paiva, pesquisador colaborador do Instituto Aggeu Magalhães (Fiocruz-PE) e professor de Genética da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), é provável que a subvariante já tenha chegado por aqui.

“Ela está presente nos países do Hemisfério Norte. Normalmente, o que tem sido o padrão de comportamento da pandemia é a gente observar [a circulação do vírus], primeiro, nos países que têm um trabalho de vigilância mais ativo e, depois, aqui. E nós temos visto um aumento do número de casos bem expressivo em Pernambuco. Então, é bem provável que isso esteja associado à incorporação da nova subvariante”, avalia.

Segundo o pesquisador, o Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen-PE) encaminhou, na tarde da última sexta-feira, novas amostras de pacientes com Covid-19 à Fiocruz-PE, responsável pelo sequenciamento genético.

“A nossa parte dura em torno de uma semana. A gente leva quatro ou cinco dias para processar essas amostras e um dia para analisar e liberar o laudo”, explica.

Saúde em alerta
A nova alta da Covid-19 começou a ser observada na última semana de outubro, quando a Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) informou ter registrado uma taxa de 11,8% de diagnósticos positivos em relação ao total de testes realizados, um percentual bem acima dos 4,1% verificados na semana anterior.

Nesse cenário, um fator que preocupa é o baixo índice de cobertura vacinal entre as crianças de 3 a 11 anos, que ainda está em 34%. Isso porque, quanto menos gente imunizada, maior é a possibilidade de surgimento de variantes como a BQ.1.

“O primeiro alerta é reforçar a necessidade da vacinação. A gente também precisa alertar os mais velhos para que voltem a usar máscara em ambientes fechados. Embora a variante [Ômicron] não esteja associada a uma maior gravidade, ela está associada a uma maior transmissão. Então, essas populações ficam muito mais vulneráveis”, orienta o pesquisador Marcelo Paiva.

Melina e Leonardo aproveitaram o domingo para vacinar os filhos Miguel e João Rafael
Melina e Leonardo aproveitaram o domingo (6) para vacinar os filhos João Rafael e Miguel (Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco)

Procura nos centros
A mudança no cenário epidemiológico já vem repercutindo nos centros de vacinação e de testagem. Acompanhada do marido, Leonardo, a servidora pública Melina Monteiro, de 41 anos, aproveitou o domingo (6) para garantir a segunda dose dos filhos João Rafael, 3, e Miguel, 5, no ponto de imunização infantil do Sítio da Trindade, em Casa Amarela.

“Eu já devia tê-los trazido, mas eles ficaram e a gente teve que postergar. Agora estou mais tranquila. Eles usam máscara, nós não temos problema em seguir as medidas de restrição, mas a vacina é o que dar uma segurança maior”, diz.

Sentindo dor de cabeça, inflamação de garganta e tosse, o assistente social Anderson Ramos, 33, procurou o centro de testagem na sede do Lacen, no bairro da Boa Vista, ao descobrir que uma amiga com quem teve contato próximo recentemente contraiu a Covid.

“Depois, eu li que tem havido uma circulação maior de uma subvariante, o que torna tudo mais preocupante. Então, fica aí o alerta para que as pessoas se vacinem”, afirma.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *