Dengue: 50% dos pacientes com a forma grave da doença desenvolve inflamação severa no coração, revela novo estudo

0

Pixabay

Hits: 15

O contínuo aumento do número de casos de dengue, em especial de casos graves, traz um componente a mais de preocupação: o risco de problemas cardíacos. De acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), 48% dos pacientes que evoluem para a forma grave da doença desenvolvem a miocardite, uma inflamação no músculo do coração.

Em balanço apresentado na quarta-feira (20), o registro de casos graves de dengue ou com sinais de alerta no país estava em 16.494. O número é maior do que o mesmo período de 2023. O ano passado teve o maior número de casos graves da doença na série histórica.

O estudo Diretriz de Miocardites, realizado em 2022 pelo Departamento de Insuficiência Cardíaca da Sociedade Brasileira de Cardiologia (DIC-SBC), mostra que dentre as arboviroses – dengue, Zika, Chikungunya e febre amarela – transmitidas pelo Aedes aegypti, a dengue, que também é a mais prevalente no país, é a que mais compromete o sistema cardiovascular.

— Esses dados apontam que é fundamental estar atento aos sintomas de miocardite em pacientes com dengue grave, em especial aqueles que já tem problemas cardíacos — diz o cardiologista Denilson Albuquerque, da Rede D’Or e professor titular de cardiologia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

Segundo Albuquerque, em geral, a miocardite tende a aparecer na fase aguda da dengue. Os sintomas da inflamação incluem dor no peito, falta de ar, cansaço excessivo, tontura e batimento cardíaco irregular.

— A miocardite geralmente vem acompanhada de pericardite, que é a inflamação da membrana que envolve o coração. Ela pode se apresentar de várias formas, como, com dor no peito semelhante ao infarto ou com batimento irregular, como em uma arritmia cardíaca. No pior cenário, a miocardite pode culminar em insuficiência cardíaca aguda.

A maioria das pessoas com miocardite se recupera. O tratamento inclui o uso de medicamentos e repouso. No entanto, em alguns casos, a miocardite pode durar mais tempo, retornar ou levar a uma insuficiência cardíaca crônica.

Fonte: O Globo

About Author

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *